Marcadores principais

Porque nem sempre as palavras foram minhas amigas

24.6.14

Poem A Day 24 - Tema: Uma memória antiga
Porque nem sempre as palavras foram minhas amigas


- Anda logo, Taís! Não pode ser tão difícil!
- Mas mãe, já não tá bom assim?
Lá estava a Taís de seis anos, sentada na mesa da cozinha, ao lado de sua mãe, com um caderno aberto na sua frente e um lápis na mão, tentando escrever um texto, no mínimo, decente. Um pequeno texto de quinze linhas, com início, meio e fim, pra escola. Primeira série. O tema do texto? Livre! Para a Taís de quatorze anos? Simples. Mas, para a de seis, nem tanto...
- Não, filha! Como você vai entregar esse texto tão sem pé nem cabeça pra professora? Você começa falando do cachorro, pula pra bruxa e termina falando das borboletas!
A Taís de seis anos não estava nenhum pouco feliz. Poderia estar no balanço lá fora, ou mesmo brincando de casinha. Mas, não. Estava sentada, ao lado de sua mãe que estava lhe “forçando” a reescrever um texto. A aprender a escrever algo bom. 
Por que tudo isso? A Taís de seis anos tinha aceitado desde seu primeiro textinho escrito, ainda em sala de aula, que as palavras não gostavam dela. E nem ela gostava de escrevê-las! Mas, por culpa da insistência e persistência da mãe, ela aprendeu a escrever o básico, e nada além do básico. Estava feliz: ao menos, assim, poderia voltar a brincar à tarde sem ter medo de quando sua mãe promoveria outra torturante aula de redação.
Fico imaginando se a Taís de seis anos acreditaria que, ali pertinho, logo aos sete anos, aprenderia a escrever poesias e ganharia de sua professora da segunda série o título de “a poetisa da turma”. Se ela acreditaria que escrever seria, dali alguns anos, uma paixão e não uma obrigação. Se ela acreditaria que a Taís de quatorze anos entraria em um projeto destinado a escrever um texto por dia por pura diversão, já que o maior sonho da Taís de quatorze anos é ser escritora.
De uma coisa tenho certeza: a Taís de seis anos não fazia a menor ideia do bem que sua mãe estava fazendo ao lhe ensinar a organizar ideias no papel. Mas a Taís de quatorze anos sabe muito bem! E é eternamente agradecida por isso. Porque ela não consegue imaginar quem seria sem seu amor por palavras. E o auxílio da sua mãe foi o começo de tudo.

 Um beijo, Taís K.

4 comentários:

  1. Eu também nunca fui amiga das palavras. Gostava de escrever o mínimo possível, e ia pra escola pra aprender e pra ver os amigos. Eu até hoje gosto de aprender, mas naquele tempo não gostava muito de escrever. Não me importava muito. Hoje nem imaginava que esse seria uma das coisas que eu mais gosto de fazer, que é me expressar pelas palavras. Sem sentimentos. Sem emoções. Só um monte de palavras a se escolher.
    Sério, esse texto foi perfeito ♥ Tenho uma listinha bem grande de vários textos muito amáveis por aqui.
    photo-and-coffee.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. ♥ Um segundo agradecimento à sua mãe por insistir numa arte tão singela e ao mesmo tempo tão maravilhosa! ♥ Quem diria que, oito anos depois, você seria uma apaixonada por palavras, hein, Taís? ^_^
    A minha relação com as palavras acontece desde a minha infância, já que desde aquela época eu gostava de escrever - no entanto, demorou para eu pegar a noção da verossimilhança e da coerência; escrevia muita coisa sem pé nem cabeça mesmo, mas, bem, é assim que se começa, não é? O importante é não parar nunca de escrever; afinal, aos poucos você vai desenvolvendo sua escrita, e isso é tão incrível! ♥
    Beijos...

    ResponderExcluir
  3. Oláaaaaaaaa, Ta! Tudo okay, amorzinho? Esperooo que sim! <3 Que história linda, gente! Eu nunca imaginaria que você, uma escritora tão boa e nata, acreditasse algum dia que as palavras não eram suas amigas! Não acredito meeeesmo! Te admiro muito por isso e sua mãe também! O que seria de nós sem o apoio delas? Nada <3 <3

    Um grande e enooooorme beijo,

    Juu-Chan || Nescau com Nutella

    ResponderExcluir
  4. OMG, taís! Sério que isso é sério? Como assim não gostava de escrever? 'o', e escreve muitooo mais do que bem hj! É, eu também não gostava de escrever muito... hahaha
    Amei o texto, linda. <3

    Bj

    ResponderExcluir