Marcadores principais

Resenha literária: Marina, de Carlos Ruis Zafón

13.10.13


Título: Marina.
Autor: Carlos Ruis Zafón.
Editora: Suma de Letras.
Número de páginas: 189.
Sinopse: Neste livro, Zafón constrói um suspense envolvente em que Barcelona é a cidade-personagem, por onde o estudante de internato Óscar Drai, de 15 anos, passa todo o seu tempo livre, andando pelas ruas e se encantando com a arquitetura de seus casarões. É um desses antigos casarões aparentemente abandonados que chama a atenção de Oscar, que logo se aventura a entrar na casa. Lá dentro, o jovem se encanta com o som de uma belíssima voz e por um relógio de bolso quebrado e muito antigo. Mas ele se assusta com uma inesperada presença na sala de estar e foge, assustado, levando o relógio. Dias depois, ao retornar à casa para devolver o objeto roubado, conhece Marina, a jovem de olhos cinzentos que o leva a um cemitério, onde uma mulher coberta por um manto negro visita uma sepultura sem nome, sempre à mesma data, à mesma hora. Os dois passam então a tentar desvendar o mistério que ronda a mulher do cemitério, passando por palacetes e estufas abandonadas, lutando contra manequins vivos e se defrontando com o mesmo símbolo - uma mariposa negra - diversas vezes, nas mais aventurosas situações por entre os cantos remotos de Barcelona.
Tudo isso pelos olhos de Oscar, o menino solitário que se apaixona por Marina e tudo o que a envolve, passando a conviver dia e noite com a falta de eletricidade do casarão, o amigável e doente pai da garota, Germán, o gato Kafka, e a coleção de pinturas espectrais da sala de retratos. Em Marina, o leitor é tragado para dentro de uma investigação cheia de mistérios, conhecendo, a cada capítulo, novas pistas e personagens de uma intrincada história sobre um imigrante de Praga que fez fama e fortuna em Barcelona e teve com sua bela esposa um fim trágico. Ou pelo menos é o que todos imaginam que tenha acontecido, a não ser por Oscar e Marina, que vão correr em busca da verdade - antes de saber que é ela que vai ao encontro deles, como declara um dos complexos personagens do livro.
Livro no: Orelha de Livro - Skoob.


Eu nunca tinha ouvido falar dos livros de Zafón. Só fiquei sabendo da existência desse autor quando minha amiga Raquel ganhou esse livro, e eu curiosa, li o primeiro parágrafo e fiquei com bastante vontade de prosseguir na leitura. Um tempo depois, a Raquel me emprestou Marina. Eu li, e posso afirmar que a leitura super valeu a pena!

Marina tem como protagonista principal e narrador Óscar Drai, um garoto de 15 anos que vive em um internato. Ele costuma sair do internato frequentemente para passear por Barcelona, e também explorar os casarões abandonados da cidade. Até que em uma dessas saídas, ele entra em um casarão que pensava ser abandonado, mas na verdade não era. Ele percebe isso no instante em que está com um relógio de bolso, que ele achou naquela mesma casa, em mãos. E sai correndo. Mas Óscar não se lembra de largar o relógio antes de ir embora.
Sua consciência o faz voltar, e então ele conhece Marina e seu pai Gérman, os moradores daquela casa. Digamos que é nesse ponto do livro que a história realmente começa.

A personagem Marina apresenta a Óscar um mistério: uma mulher coberta por um manto negro que visita um cemitério e vai até uma sepultura sem nome, sempre no mesmo dia e horário. Os dois decidem descobrir quem é essa mulher. É ai que se deparam com símbolos de borboleta negra em diversos lugares, marionetes um pouco diferentes das tradicionais, um álbum de fotos muito estranho, pessoas que raramente dizem a verdade e que, muitas vezes, possuem culpa no cartório, e cada vez mais mistérios e histórias que devem ser desvendadas se quiserem realmente saber a verdade.
E além desse grande mistério, tem também a própria história e segredos pessoais da Marina e seu pai.
“Ao subir as escadas para o quarto andar estava convencido de que tinha sido o dia mais estranho da minha vida. Mas se fosse possível comprar uma entrada para ver tudo se repetir, compraria sem pensar duas vezes.”
- Página 34.
Não vou contar mais detalhes da história nem dos personagens, porque o que eu disse até aqui e o que a sinopse revela já é suficiente, para não perder a graça pra quem for ler. O livro é repleto de mistérios, mentiras e pessoas que adoram omitir os fatos. A história não é nenhum pouco previsível, você pode até pensar que sabe o que você vai acontecer, mas na verdade você não sabe de nada e suas suspeitas estão completamente erradas. Digo isso por experiência própria, kkkkk'. Tudo que te resta para saber o que vai acontecer é não largar esse curto livrinho até chegar ao fim, e foi isso que eu fiz.

Só um aviso: Marina tem algumas (na verdade várias) páginas repletas de fatos assustadores e macabros, mas se eu, a pessoa mais medrosa da face da Terra, sobrevivi a essas partes, você também sobrevive, confie em mim!
“'A natureza é como uma criança que brinca com as nossas vidas. Quando cansa dos brinquedos quebrados, ela os abandona e substitui por outros' – dizia Kolvenik. 'É responsabilidade nossa recolher as peças e reconstruí-las.'”
- Página 85.
A única razão de eu não ter dado cinco estrelinhas para o livro foi um fato desnecessário e triste que ocorreu lá pelo fim do livro, que eu não posso contar porque seria um spoiler gigantesco. Acredito que todos os outros acontecimentos do livro foram suficientes para criar uma história ótima e que aquele não precisava ter acontecido. Mas esse ponto que eu considerei negativo não fez de maneira alguma que eu não classificasse a história de Marina como, no mínimo, muito boa!


Alguns dos meus vários quotes favoritos:
“- De nada adianta toda a geografia, trigonometria e aritmética do mundo se você não souber pensar por si mesmo - argumentava Marina. - E nenhum colégio ensina isso. Não está no programa.”
- Página 49.
“- Deve ter percebido que não temos eletricidade, Óscar. Na verdade, nós não damos muito crédito aos avanços da ciência moderna. Afinal de contas, que tipo de ciência é essa, capaz de colocar um homem na lua, mas incapaz de colocar um pedaço de pão na mesa de cada ser humano?
-  Acho que o problema não está na ciência, mas naqueles que decidem como empregá-la - sugeri.” 
- Conversa entre Gérman e Óscar, página 34.
“Peguei um jornal na mesa do corredor e fui me refugiar em meu quarto. Estendido na cama com as página dobradas no peito. Ouvi vozes no corredor. Acendi o abajur e mergulhei no mundo do jornal, tão irreal para mim. O nome de Marina surgia em cada linha. “Vai passar”, pensei. Nada melhor do que ler a respeito dos problemas dos outros para esquecer os próprios. Guerras, fraudes, assassinatos, hinos, desfiles e futebol. O mundo continuava igual.”
- Página 70.
Classificação: 
Espero que tenha gostado da resenha. E você, já leu Marina?
♦ Beijo grande e até a próxima postagem ♦

8 comentários:

  1. Adorei sua resenha. Como eu julgo livros pela capa (sei que não devo, mas fazer oque...), bom eu adorei essa capa: misteriosa, bonitinha e meia com cara de antiga. Nunca tinha ouvida falar do livro e autor. Quando der vou adquirir na minha estante *-* amei de mais. Ainda mais que tem gente se apaixonando ai haha. E o fim eu imagino como deve ser, pelo menos eu acho... já li um livro que é trágico o fim, chorei de mais =´( olha que não sou de chorar em livros....

    Obrigada pelo seu comentário lá no blog viu?
    Resposta do seu comentário lá:
    Oi Taís! Obrigada linda. Pois é... nunca fica tãaaao feminino. É ótimo o livro, pode ter certeza!
    P.S.: Estou adorando! Só que estou me enrolando pra ler... haha é que to com ressaca de livros, e tenho mais 4 livros para ler depois desse. É muita pressão! kkk
    Beijooos, espero sua visita nos próximos posts hein??
    SweetSecretFantasy.tk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Julgar livros pela capa não é certo, mas não te culpo =P Dependendo da capa, deixa a gente com vontade de ler o livro mesmo (ou de nem chegar perto dele, dependendo do caso). Adquira mesmo, eu recomendo! u.U ♥
      Beijos! ^^

      Excluir
  2. Oii Taís, não conhecia esse livro. Desse autor só conheço A Sombra do Vento, porém ainda não o li.
    Parabéns pela resenha, ficou muito boa. Espero poder ler Marina em breve e tirarei as minhas conclusões.
    Hahahahaha adorei os seus livros favoritos que você colocou na lateral do blog, gosto muito deles, pelo visto você também é fã da Paula Pimenta, né?
    Parabéns pelo seu blog, gostei muito dele e já estou seguindo!

    Beijoos ;**
    Leitora Online

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! ^^ Eu gostei muito de Marina, recomendo bastante.
      Claro que sim, Paula Pimenta é vida ♥
      Obrigada!! =D

      Excluir
  3. vi sue cabeçalho novo, ownnn me apaixonei! aonde você achou uma máquina de escrever menina???? tô doida agora hahaahaha, sério amei de mais!

    Fiz a Resenha Literária do A probabilidade estatística de amor à primeira vista, ve lá! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muuuuuito obrigada Yasmin! Fico super feliz que tenha gostado tanto :) Essa máquina é da minha mãe, ela ganhou lá em 1992, época em que as máquinas de escrever ainda eram bastante usadas.
      Okay! Já vou passar por lá, beijos! ♥

      Excluir
  4. Passando só pra dizer que eu simplesmente amei o cabeçalho!! Muito muito fofo!
    Beijo,
    malumaluquete.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Malu! ^^ Fico feliz que tenha gostado!
      Beijo ♥

      Excluir